CRIPTOMOEDA DA CULTURA (E TURISMO)

criptomoeda da cultura

Criptomoeda da cultura já é realidade. A CULTURAL PLACES  é a primeira plataforma holística no setor cultural que conecta visitantes, instituições, artistas, criadores de conteúdo e doadores. E logo mais terá também o crowdfunding.

O setor cultural está caminhando para uma redefinição das relações entre todas as partes interessadas. Está se criando novas oportunidades de negócios. O núcleo é a sua própria criptomoeda da cultura, ou a moeda digital cultural – baseada na tecnologia blockchain. Isso reinventa e simplifica o financiamento cultural, patrocínio e a venda de bilhetes para espetáculos e espaços culturais.

Com a plataforma Cultural Places, as instituições podem oferecer uma experiência ao visitante inovadora, única e interativa. E a plataforma se transformará em uma rede social para todos em artes e cultura.  Toda transação dentro da plataforma será feita com a moeda cultural. Esta moeda criptografada permite um programa de fidelidade exclusivo que oferece muitos benefícios a todos os participantes.

A primeira edição do aplicativo já está desenvolvida e disponível. O número de instituições parceiras cresce a cada minuto. Já existem mais de 30 pontos turísticos e instituições localizados em seis países diferentes, como o famoso Stephansdom em Viena e o Templo Borobudur na Indonésia – o maior templo budista do mundo.

O OBJETIVO DA CRIPTOMOEDA DA CULTURA

O empresa austríaca criadora da plataforma quer combater o efeito inflacionário que as agencias têm sobre o mercado de ingressos secundários. Permitirá que os consumidores comprem ingressos diretamente de museus, locais de música, teatro, dança, espetáculos e locais turísticos. E também será oferecido um local de revenda transparente e confiável, caso não possam comparecer.

A empresa planeja introduzir o processo da criptografia, em 2019, a todos os clientes. Será oferecida uma carteira para Moedas Culturais. As taxas associadas à compra de entradas para exposições, galerias, shows e afins seriam fixadas em 6% – um forte contraste com a comissão de 30% exigida por alguns provedores atuais de emissão de bilhetes.

Essa taxa de 6% será dividida em quatro partes:

  • O Cultural Places se remunera com 3% da receita,
  • 1% sera devolvido aos clientes por meio de um esquema de fidelidade,
  • outros 1% seriam destinados a todos os usuários do aplicativo que tenha criptomoedas da cultura (como um bônus ou uma comissão)
  • e os 1% restantes seriam royalties para o instituições que oferecem conteúdo atraente ao público e precisem ser auxiliadas.

A empresa quer alcançar uma participação de mercado de 12 por cento na Europa até 2023. As instituições que ingressasse na plataforma receberão ajuda para “transformar seu conteúdo para para as demandas de uma nova geração”. Isso permite que os usuários vejam os pontos turísticos virtualmente antes de fazer uma visita pessoalmente e se vinculem perfeitamente à atual política cultural em toda a Europa, onde a preservação digital de artefatos preciosos tornou-se uma prioridade.

E continuando a pensar em inovação, o crowdfunding também será introduzido no terceiro trimestre de 2019. A empresa espera que isso melhore significativamente a amplitude de exposições e empreendimentos artísticos na sociedade.

SOBRE AS CRIPTOMOEDAS

As criptomoedas são produzidas por um sistema coletivo online, a uma taxa que é definida quando o sistema é criado e é público.  O sistema técnico subjacente no qual as criptomoedas independentes se baseiam, foi criado pelo grupo, ou pessoa, conhecido como Satoshi Nakamoto.

Em maio de 2018, existiam mais de 1.800 especificações de criptomoedas, e agora uma delas a criptomoeda da cultura. A segurança, integridade e equilíbrio dos livros contábeis é mantida por uma comunidade de partes que trabalham em conjunto, verificando a autenticidade e são chamadas de mineradoras.

Essas pessoas usam seus computadores para ajudar a validar e registrar a hora das transações. Tudo é registrado no livro de registro e feito com um esquema específico de timestamp. Timestamp é um esquema de carimbo de data / hora, no arquivo, para tornar confiável e registrado. São computadores por todo o mundo ajudando a autenticar e manter todo o processo.

A validação realizada é fornecida por uma blockchain. Um blockchain é uma lista crescente de registros, chamados blocos, que são vinculados e protegidos usando criptografia. A complexidade e a distribuição por vários computadores em todo o mundo os tornam praticamente impossível de hackear.

O mundo está mesmo mudando e nós não podemos perder esse trem. Fique ligado nas matérias aqui de futurologia.

Até a próxima semana. Compartilhe, conhecimento tem que circular! 😉

#pracegover foto com fundo negro onde uma pessoa com máscara do Salvador Dali tem a mão estendida mostrando 04 tipos de criptomoedas.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *