A GENEROSIDADE ESTÁ AUMENTANDO?

@4Há muito falo sobre a importância da cooperação. Me apaixonei pelo sistema cooperativista exatamente por isso. Mas será que a generosidade entre os pares está mesmo aumentando? Eu acho que sim. Talvez não por bondade somente ou porque as pessoas estão se santificando (risos), não. Mas acho que por inteligência as pessoas estão entendendo que é dando que se recebe, e perdoando que se é perdoado e é participando mais generosamente do mundo em que se vive que as chances de sucesso, de conquistas podem aumentar. Continuar lendo

GRANDES IDEIAS, POSSÍVEIS NEGÓCIOS

ideiasSempre gostei de comprar e ler revistas sobre negócios. Conheço quase todas e leio regularmente a maioria. E percebo o quanto a cada ano e a cada mês as matérias vêm abordando cada vez mais o tema da economia criativa, dos negócios criativos.

Na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios do mês de maio/2015 tem uma série de matérias que também fala da economia criativa. Na coluna “Grandes  Idéias” tem três casos que achei muito legal e compartilho com vocês: Continuar lendo

PRIVACIDADE NA INTERNET, NÃO EXISTE

privacidade-na-internetPrivacidade na internet você sabe como é? Tem medo ou não de usar a internet? Usa para divulgar e melhorar sua performance em projetos e eventos?  Quer aprender isso sem pagar nada? Fique aqui comigo que vou falar muito sobre esse assunto.

A primeira coisa que quero te falar é que  A INTERNET É COMO UMA PRAÇA DA SUA CIDADE, é ali que as pessoas se encontram e tudo pode ser visto por todos. Continuar lendo

REDE COLABORATIVA

"REDE COLABORATIVA" E hoje, vamos falar sobre a cultura da colaboração, do compartilhamento. Estamos construindo a REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO CULTURAL e a cultura da colaboração precisa ser conhecida. Este “setor” ou “seguimento” da economia já tem uma taxa de crescimento anual em torno de 25%, segundo a MIT Sloan*. Eles dizem que podem chegar a movimentar US$ 110 bilhões anuais nos próximos anos. A revista TIME  disse que o os mercados colaborativos são “uma das 10 idéias que vão mudar o mundo.”

Com uma cultura, posicionamento e ações colaborativas, você pode doar, emprestar, partilhar, colaborar, trocar, alugar etc. Tudo sem a necessidade de acumular. Encurtando caminhos, economizando, tornando a vida mais sustentável, viabilizando boas idéias. Continuar lendo

SUA VISÃO DE MUNDO É MEDÍOCRE?

IMG_8022-001Em primeiro lugar vou definir o que é “Medíocre” para que que não seja apedrejada: “Medíocre, levado ao significado mais próximo da raiz da palavra, significa mediano. Não é tido como um insulto, não designa o que está abaixo da média e, sim, aquilo que está exatamente na média, cujo resultado fica entre o bom e o mau; ou que fica entre o que é grande e o que é pequeno.” (fonte significadosbr.com.br)

Quando temos uma visão medíocre das coisas, do mundo, do nosso mercado de trabalho, temos uma visão mediana. Uma visão mediana é aquela que simplesmente colhe e acata discursos propagados aos quatro cantos sem uma crítica mais profunda ou avaliação dos fatos. Se quisermos resultados efetivos, em qualquer coisa, temos que fugir de olhares e opiniões medíocres. Temos que fugir das “verdades” impostas por certos grupos, pela mídia ou por pessoas com intenções obscuras que nem sempre sabemos. Temos sempre que olhar para todos os lados e de todos os ângulos. Temos que ser também, advogados do diabo.

Vamos falar por exemplo sobre das polêmicas da Lei Rouanet que é da nossa área. Uma das polêmicas foi a da Maria Bethânia. Ela aprovou R$ 1,3 milhão para criar blog “O Mundo Precisa de Poesia”. Vamos analisar os fatos: 1)- Maria Bethania teve a aprovação dos 1,3 milhão – para ser captados. Na época da polêmica não diziam isso, não diziam que era só uma aprovação e não uma captação. 2) – O projeto previa a publicação de 365 vídeos produzidos por Andrucha Waddington que é diretor e produtor de cinema e publicidade brasileiro. É um dos sócios da Conspiração Filmes que fez dezenas de filmes entre eles “Eu, Tu, Eles”.

O blog pretendia além de textos, intervenções etc postar diariamente, durante um ano, vídeos bem filmados, produzidos e editados que falassem sobre poesia. Agora vejam o orçamento: 1.300.000 – 100 mil de captação que é o teto = 1.200.000. Mas precisa de um captador? Sem um bom captador é difícil ir ao mercado e conseguir este montante. Então sim, o trabalho dos bons e honestos captadores é importante. É um trabalho demorado, difícil e que leva tempo até que se consiga convencer, mesmo com o benefício da lei, que haja um patrocínio.

Bem, dos 1.200.000 que ficam podemos dividir em 365 dias e chegaremos ao resultado de menos de R$ 3.300,00 por dia. Este dinheiro diário seria para pagar: coordenação do projeto, prestação de contas, contador, divulgação, manutenção do site, direitos autorais, eventuais funcionários, programação e hospedagem do site, cachês e a produção de um vídeo feito em grande qualidade por um importante cineasta e os vários impostos. Garanto que não é um grande valor porque nessa área infelizmente tudo é muito caro principalmente quando é uma grande produção e com pessoas importantes.

Mas aí, o Zeca Pagodinho que aprovou para seu DVD 4 milhões, Luan Santana 4 milhões, Claudia Leite 6 milhões, Ivete Sangalo 2 milhões etc. Por um ou pouco mais de 2 shows e gravações etc. Muitos que conseguiram captar. Aí ninguém falou nada, ou quase nada. Ou falam muito também quando o Pedro Lourenço conseguiu aprovação, mas não conseguiu captar a tempo, R$ 2,8 milhões para seu projeto de ir a Paris com sua moda .

Mas onde está a mediocridade em achar isso tudo um absurdo? Não, isso é mesmo um absurdo para um país como o Brasil. Um país com tantas dificuldades na cultura poderia dividir melhor esta verba. Então, tem muita coisa errada, a lei Rouanet tem muito o que mudar. Mas, o que tem que mudar? As mudanças propostas e que estão em votação não são boas? Se são boas como podemos articular para melhorar e apressar a votação? Se não são boas o que faremos? Vamos acabar com a lei? Quais os números reais de quem é beneficiado com a lei? Quem faz mal uso da lei? Quanto representam os números destes benefícios no orçamento geral da União? Qual o custo x benefícios ela gera, ou não gera? Etc. Só ao responder pontualmente e com fatos estas e outras tantas perguntas é que começaremos a saber se realmente ela é boa ou ruim e o que teremos que fazer.

A mediocridade está quando repetimos os discursos, como a tal Raquel Scherazade do SBT, onde simplesmente fala mal da lei, da antiga ministra Marta Suplicy, faz um discurso político e acaba com a moral de uma lei que muito além do que polemiza, patrocina inúmeros bons e importantes  projetos. A mediocridade está em fincar o pé em um discurso, certo ou errado, e bombardear quem não concorda com isso. A mediocridade está em não sair da nossa zona de conforto e tentar ver as variadas realidades. A mediocridade está quando queremos simplificar a lógica como na piada do português -ou italiano ou brasileiro –  e do japonês (eu conto essa piada no áudio gravado desse texto – veja no meu soundcloud).

O buraco é mais embaixo, a solução para tantos problemas que temos na vida, na carreira, no trabalho, na política, na vida em sociedade é outro. O problema real é que dá trabalho, tem que ler e pesquisar sobre o assunto, ser resiliente e tem que aceitar opiniões. Nada está certo. A lei Rouanet não está certa, tem muita coisa errada. As leis de incentivo não estão certas. Os políticos não estão certos.  A humanidade não está certa. Mas, há sempre o outro lado. Ao pensar assim, ao pensar de verdade e entender de verdade o problema poderemos chegar a soluções realmente efetivas. Não há almoço gratis. As soluções, muitas vezes simples, são trabalhosas. O mérito não é estar certo e convencer as pessoas, o mérito é ouvir as pessoas, olhar e entender a situação e aí mudar a nossa idéia com a certeza de que estamos evoluindo.

Precisamos sair da mediocridade ´para melhorar nosso trabalho, nossa vida, nosso sonhos. Os medíocres, por preguiça ou desconhecimento, simplesmente acatam, repetem e se contentam com o que diz e manda a maioria. Ter pensamentos e questionamentos variados nos faz sair do médio e nos leva para discursos e soluções mais inteligentes e efetivas. Quando tivermos no pensamento a certeza de que não temos certeza do que estamos afirmando, estaremos no caminho certo.

Gostou? Curta e comente. Também compartilhe pois informação tem que circular. 

O MENSALÃO DA CULTURA

A cultura está acima da diferença da condição social.” (Confuncio).

“Sabei que o segredo das artes é corrigir a natureza.” (Voltaire).

Imagem

Há muitos e muitos anos, num magestoso país chamado Brasil havia propina, corrupção, compra de opiniões, caixa 2 e muito mais. Antes de eu nascer até os dias de hoje. Claro que com tanta corrupção não haveria de ser diferente na cultura.

Nossa!!! Verdade?!?!? Claro que sim e claro que muitos já sabiam disso. Crimes como formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, gestão fraudulenta e evasão de divisas acontece sim na cultura. Mas, infelizmente, com poucas possibilidades de provar ou de alguém realmente querer denunciar ou mesmo se interessar.

Tive meu primeiro contato com a corrupção quando fui secretária de Turismo em uma cidade de 13 mil habitantes no interior de Minas. Foi lá que vi que o “sorteio” de barracas para a festa da cidade era “maquiada” para que ganhassem apenas os amigos do partido. Foi lá que fui orientada pelo prefeito a recusar a doação de instrumentos musicais para uma banda da cidade por ser de outro partido. Foi lá que fiquei sabendo, “em segredo”, que “fulano” do financeiro da prefeitura maquiava também as licitações para ganhar aquele que lhe dava comissão das contratações de shows. Achei que isso só acontecia naquela cidade, naquele momento. Ó céus, ó vida…. ó santa ingenuidade.

Andei pesquisando junta às pessoas que conheço para saber a opinião de cada uma a respeito do “que é o mensalão”. Interessante é que a maioria, enxerga apenas como uma distribuição de dinheiro, do PT, para comprar votos. Ponto.

Porém o famoso “mensalão” é muito mais do que isso. Envolve diversos partidos, diversas empresas públicas e privadas, diversos empresários, a compra do PTB pelo PT e muito mais segundo as denúncias e processos. Os envolvidos somam mais de 100 pessoas e não somente a meia dúzia condenada. E o estopim foi a denúncia do Roberto Jefferson do PTB que canta muito mal a música do Lupicínio Rodrigues, Vingança. Opa, mas será que ao cantar no Programa do Jô essa música ele estava mandando uma “mensagem subliminar” para alguém?

Enfim, 18 de maio de 2004 diz-se que é o marco para o início dos escândalos e que eles estão restritos a essa época e ao PT. Porém, quem não se lembra em 2003 da cueca com dinheiro? Em 1995 da farra do PROER? Propinas nas privatizações da Vale e Telebrás? Compra de votos para a reeleição do FHC? O escândalo do Lalau? Jorgina de Freitas, fraudadora do INSS e que hoje tem um cargo público no Rio de Janeiro?

Com tanto escândalo e história os profissionais da cultura já estão se movimentando tem 02 filmes para serem produzidos: um filme da Tata Amaral sobre o “Porque José Dirceu virou o vilão do Brasil” já inclusive com autorização para capitação de mais de 1,5 milhões e o filme, ainda em estudo, que José de Abreu quer fazer sobre o Mensalão.

Onde há corrupção na área cultural?

– Podemos falar das contratações de shows, produtos culturais etc por prefeituras ou estado. Empresas vendem algo que custa X, cobra XX, e  o X a mais usa para repassar as “gorjetas” para quem intermediou o negócio. E claro tudo isso com dinheiro público.

– Existe também o tráfico de influência que acontece sempre em grande eventos, contratados pelo governo, para “representar” o Brasil etc, pagos com dinheiro público e que sempre vão os “amigos do rei”. Sem chamamento, sem concurso, sem dar oportunidades a outros tão bons quanto.

– Na Lei Rouanet, o mecenato, concede ao proponente de determinado projeto captar junto às empresas patrocínio para o projeto com o benefício da lei. A empresa dá ao projeto dinheiro como patrocínio, aparece na divulgação e depois faz o abatimento quando for pagar seus impostos, ou seja, usa dinheiro público e ainda se beneficia com divulgação.  Existe para essa “venda do patrocínio” a figura do captador de recursos, aquele que tem seus contatos com empresas e sabe vender. Ele tem o direito de receber uma comissão, dentro da lei, de até 10% do valor do projeto num teto máximo de 100 mil reais.

Apesar de simples assim e de ser claramente dinheiro público todos os dias tenho amigos, artistas e alunos dos cursos que ministro sobre o assunto me perguntando se é certo, se procede, pagar 20%, 30% do valor do projeto para o captador, que as vezes repassa parte para o funcionário da empresa que ajudou na liberação. Se é certo que eles “devolvam” para a empresa os 30%/40% a mais quando a lei não cobre os 100% de compensação. Se é certo fraudar notas fiscais a maior quando está “sobrando” dinheiro no projeto etc. Fiquei até sabendo que uma “colega” que ministra cursos sobre projetos e lei Rouanet que prega isso como inevitável.

Muita gente acha isso normal, ruim, mas, normal. Vamos quebrar o pensamento do “é assim mesmo” e partir para um posicionamento mais efetivo na cultura. Temos direito e precisamos de mais projetos e ações culturais e artísticas. Cada desvio desses, cada propina, é uma peça de teatro, um show que não acontece. Cada desvio de verba pública da cultura assim é mais um artista que não paga a sua luz, seu aluguel, seus compromissos.

Mas existe uma solução. A solução é a denúncia. Minha constante resposta e a sugestão para vocês como ação é: MINISTÉRIO PÚBLICO, POLÍCIA, CADEIA NELES. Denunciem toda e qualquer corrupção. E as denúncias no Ministério Público podem ser anônimas. Consiga o maior número de informações que puder como detalhes do projeto, da empresa, do captador, da pessoa que propôs isso. Parafraseando o Rei Roberto Carlos, essa corrupção é “ilegal, imoral e engorda” somente o bolso de alguns.

Acredito na cultura e acredito em vocês. Sei que se nos unirmos podemos mudar este panorama.

Somos profissionais da cultura, temos responsabilidade com tudo isso. Podemos com a nossa arte, com o fomento e resgate das culturas, com a valorização das ações culturais mudar o pensamento de um povo que precisa mais e mais apenas acreditar que pode. Nós podemos. Todos podem. Tenham esperança. Vamos plantar esta ideia. Vamos mudar esse país.

 

GRANDES IDEIAS, NOVOS NEGÓCIOS

ideiasPara ter ideias ou desenvolver as que já tinha, sempre gostei de comprar e ler revistas sobre negócios do mundo todo. Conheço quase todas e quase regularmente leio. E percebo o quanto a cada ano e a cada mês as matérias vêm abordando cada vez mais o tema da economia criativa,  negócios criativos.

Estava arrumando e revendo as publicações que tenho da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios e achei no mês de maio/2015 uma série de matérias que também fala da economia criativa. Na coluna “Grandes  Idéias” tem três casos que achei muito legal e compartilho com vocês:

O publicitário Diego Oliveira de 25 anos que ao assistir um filme com uma amiga que é cega descobriu que poderia pensar em um projeto para auxiliar as pessoas com deficiência visual, a saber, do que se trata o filme. Foi aí que criou a Legenda Sonora que trabalha com conteúdo audiodescritivo.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, assinou um decreto que regulamenta a instalação de parklets na cidade. São mini praças construídas em duas vagas de estacionamento e que podem ser usadas como praças por toda a cidade. Essa é uma idéia que cria por toda a cidade espaços, muitos com Wi-fi, onde a convivência e a diversão podem ser encontradas em lugares inusitados find out here. A possibilidade de instalação de paklets pode se tornar pontos de cultura e de atividades lúdicas.

A “Britolândia” que fala sobre a propagação da marca e do design do pernambucano Romero Brito. É impressionante como o trabalho dele tem se propagado e replicado desde roupas, tecidos, bebidas, carros, carrinhos de bebê etc.

Tinham mais casos na revista sobre o assunto, mas resolvi mostrar estes. Além dessa revista têm muitas outras que vem falando sobre a questão das idéias criativas, muitas e muitas envolvendo a cultura, e que tem virado negócios criativos sustentáveis. As matérias começaram mais ou menos em 2010 com mais força, 2015 explodiu a quantidade de matérias do assunto. E em 2016 continuamos trilhando estas descobertas que pra quem é da área cultural, do setor social, do turismo e outros já fazíamos, só não era chamado de Economia Criativa.

Então, “bora lá” ter ideias, pensar em soluções inteligentes e criativas para o dia a dia e tudo isso pode virar para você um grande negócio. Pense, pense e pense sempre. 😉

Gostou? Curta, Comente, envie SEUS COMENTÁRIOS e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR.

ADMINISTRAÇÃO E MARKETING É MUITO IMPORTANTE

ADMINISTRAÇÃO E MARKETING IMPORTANTEQuem trabalha com a cultura, sustentabilidade, terceiro setor, projetos, ações sociais e outros, muitas vezes acha que não faz parte do mundo globalizado, do setor de negócios e do capitalismo mundial. Pensa que não é necessário ter conhecimento para utilizar ferramentas e conceitos de administração, contabilidade, gerenciamento, marketing etc. Este é um pensamento equivocado.

Qualquer empreendimento, ação, projeto ou atividade que tenha como uma das metas ganhar dinheiro por qualquer motivo, mesmo que não haja lucro, faz parte do mercado e precisa entender e saber sobre administração, sobre empreendedorismo. Guardada as devidas proporções e especificidades, é importante entender e olhar como funciona este mundo e assim conseguir ganhar mais vantagens, diminuir os erros e aumentar os resultados.

Vender um CD, livro, DVD, obra de arte ou qualquer outro material artístico, cultural ou social exige conhecimento desse mercado. Vender ingressos para shows, peças teatrais, eventos beneficentes, treinamentos direcionados ou qualquer atividade neste sentido nos faz utilizar das mais variadas ferramentas de marketing (mercado). Qualquer prestação de serviço, em qualquer uma destas áreas, onde em algum momento envolva dinheiro, materiais, pessoas, logística, fornecedores e outros itens, exigirá administração e conhecimento das técnicas.

Por isso, tanto o profissional autônomo da área, quanto a empresa ou associação, tem que ter a consciência de que é necessário criar planejamentos a curto, médio e longo prazo. É necessário entender de finanças e investimentos, é importante conhecer os principais conceitos de marketing. Conhecer profundamente o seu negócio, o setor e quais os dados já pesquisados. Utilizar destas pesquisas e dados, para melhorar a performance e alcançar resultados mais efetivos.

Para ampliar o conhecimento, entender os conceitos, aprender mais sobre as ferramentas e o próprio mercado, há hoje muitos canais de informação e consultoria. O SEBRAE é um deles quando falamos de pequenos empreendimentos. Mas há sites, revistas, livros e eventos pagos ou gratuitos, online ou presencial, onde o conhecimento pode ser adquirido.

Aqui no meu blog, nos meus cursos e em todas as redes sociais onde produzo conteúdo falo sobre isso. INTELIGÊNCIA EM PROJETOS E EVENTOS. A inteligência em trabalhar neste mercado que a cada dia se profissionaliza mais. Pense nisso. Amplie seus conceitos. Abra sua mente. Saia da “Caixinha”. Pense holisticamente. Nossa possibilidade é gigante, temos muito mercado a conquistar. Com mais técnica e conhecimento podemos mudar e melhorar tudo o que quisermos, até o mundo. Mas lembre-se, trabalhar dá trabalho.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉