DICIONÁRIO PARA EMPREENDEDORES CRIATIVOS

Dicionario para empreendedoresBem, agora que você sabe que precisa pensar também em administração, gestão, marketing e finanças dentro do seu projeto, sua empresa, sua Ong e até o seu coletivo, vale saber quais são as palavras usadas hoje e o que cada uma delas quer dizer. Na Inteligência usada em Projetos e Eventos, conhecimento nunca será demais. Confira abaixo:

ACELERADORA ou INCUBADORA–  Empresa que funciona como um centro de estudos e consultoria para empreendimentos embrionários. São locais onde há, ou não, capital financeiro mas existe toda orientação e apoio de profissionais, universidades e outros para o desenvolvimento de novas empresas, startups e novos negócios. Aceleradora – é o nome atualmente usado para as incubadoras principalmente na área tecnológica.

BREAK-EVEN OU PONTO DE EQUILIBRIO DE UM PRODUTO OU SERVIÇO – é a quantidade mínima de produtos\serviço a ser vendido para cobrir os gastos mensais de uma empresa. Quanto tenho que vender para não ter prejuízo.

CANVAS MODEL – matriz de modelo de negócios criada por Alex Osterwalder e Yves Pigneur em 2010 para realizar o Business Model Generation (BMG) um método para avaliação ou criação de novos negócios.  Veja aqui a matéria sobre o tema.

CO-WORKING ou COWORKING – modelo de trabalho que baseia no compartilhamento de espaço. Exemplo um espaço que disponibiliza mesas, acesso a WiFi e linhas telefônicas para escritórios, pontos de trabalho, reuniões etc. Você pode pagar por hora, por dia, por mês ou rachar as despesas.  40% do mercado está em São Paulo. Os espaços são divididos por pessoas, geralmente, de uma mesma área de atuação.

CROWDFUNDING – Fundo monetário vindo de uma multidão. É uma forma de obter capital através de campanhas, online ou não, junto a pessoas e empresas interessadas no projeto apresentado. Atualmente existe muitas plataformas online que oferecem facilidades para a campanha. O Kicante é um dos principais.

CROWDSOURCING – trabalho de forma colaborativo onde as pessoas ou empresas ajudam em uma determinada ação para gerar conteúdo, solução de problemas, fluxo de informações etc para um único resultado. Pode haver ou não remuneração financeira. É executar um trabalho com a ajuda de terceiros.

COMPORTAMENTO – Atitude, forma de agir e de se comportar. Importante para realizar efetivamente seus projetos.

CUSTO DE MATERIAL – custo do material usado no produto. (Ingredientes de uma torta por exemplo ou os materiais como folder e cartazes na divulgação de um evento)

CUSTO FIXO – é a soma de todas as despesas mensais de um empreendimento que esteja funcionando mesmo que ela não tenha nenhuma venda. Mesmo que o custo tenha variação.

CUSTO VARIÁVEL – custo de materiais, insumos ou serviços que eventualmente sejam necessários. Por exemplo: a energia elétrica mensal de um espaço pode ser variável, mas está dentro dos custos fixos. Já a compra de uma lâmpada, que eventualmente queimou, está nos custos variáveis.

DESPESA – é tudo que se gasta em um determinando tempo. Mês, dia, semana, projeto.

DESIGN THINKING – é o pensamento do design onde a empatia é o principal ingrediente. São ideias pensadas em conjunto e de forma livre. O foco é realizar ações que tenham um real entendimento das necessidades das pessoas para o qual o projeto está sendo desenvolvido. O principal recurso para o desenvolvimento, que normalmente é feito em equipe, são os post-its.

EARLY STAGE – nome que se dá a empresas que estão em estágio inicial em suas atividades. Normalmente até 3 anos de existência.

ELEVATOR PITCH OU PICHT– supostamente surgido em Los Angeles para apresentar em até 30 segundos um roteiro para algum produtor em Hollywood. É usado no mundo empreendedor para “vender” a ideia do seu negócio abordando os principais pontos. A média aceita hoje para se ter um Pitch é de até 3 minutos.

EMPREENDEDOR – pessoa que deseja realizar, executar, deixar sua marca e fazer a diferença.

EMPREENDEDOR SOCIAL – o empreendedor que atua com negócios com fins lucrativos, mas com proposta social. Ocupam o chamado setor 2.5

EMPATIA – guarde essa palavra e desenvolva esse dom. É a forma de se colocar no lugar da outra pessoa para conseguir entender seus sentimentos, suas respostas, seus argumentos, sua visão de mundo.

ESCALABILIDADE – possibilidade de replicar um produto com facilidade e com a mesma qualidade. Na área da produção artesanal tem se falado muito sobre este tema: como entregar um produto artesanal com a mesma qualidade em cada produção.

FERRAMENTAS DE MARKETING – meios que a empresa usa para aproximar seus consumidores dos produtos ou serviços que ela oferece. A propaganda é uma ferramenta de marketing.

INVESTIMENTO – é todo dinheiro investido em um negócio, empreendimento, projeto (equipamentos, melhorias, serviços etc)

INVESTIDOR ANJO – são profissionais que atuam nos novos mercados tecnológicos. Eles destinam, normalmente, pequenas somas a novos projetos tecnológicos no risco de conseguir, ou não, fazer parte de uma grande inovação e com altos rendimentos.

LEAN STARTUP – Empresas, na área de tecnologia principalmente, que lançam protótipos de teste para determinados grupo de clientes e assim avaliar suas possibilidades. Chamam o protótipo de Produto mínimo viável (MVP).

MARKETING- Market em inglês é mercado. Marketing é o mercado em movimento. A forma de programar ações para agir perante o público, chamando atenção e movimentando as vendas.

MEI –  Micro Empreendedor Individual – um formato de empresa individual que pode ser aberta inclusiva online pelo empreendedor. O custo mensal é de apenas o valor do INSS individual. Porém, o faturamento mensal está restrito a pouco mais de 5 mil por mês na emissão de notas fiscais.

NETWORKING OU REDE DE CONTATOS E RELACIONAMENTOS- estabelecimento de contatos e relacionamentos. Muito mais do que uma “mala direta” estes contatos devem ser acionados com frequência definida, para ampliar as possibilidades de negócios.

PREÇO DE VENDA – quanto custa seu produto ou serviço no mercado.

PRÓ-LABORE – remuneração mensal que os donos retiram da empresa pelo serviço prestado à própria empresa.

PME – pequenas e médias empresas.

PIVOTAR –  dar novo rumo, nem sempre fugindo do objetivo final, em um negócio.

PERSONA – cliente típico\ publico alvo de um blog, negócio digital, site etc.

REMUNERAR – pagar salários, cachês, honorários.

PERSUASÃO – capacidade de convencimento do outro.

ROI – retorno sobre o investimento.  Porcentagem de ganho em relação ao dinheiro investido.

STAKEHOLDERS – todas as pessoas, de vários seguimentos, envolvidas com o seu negócio. Fornecedores, funcionários, clientes, prestadores de serviço, imprensa e outros. Todos os que serão de alguma forma impactados pelo projeto.

SPEED CAPITAL – “capital semente”, aquele usado para dar início a um negócio.

STORYTELLING – contar a sua história de superação, de empreendedorismo. E uma forma de comunicar com o público através de histórias pessoais, histórias relacionadas aos produto ou serviço, superação e cases de sucesso etc.

VALIDAÇÃO – validar uma ideia, uma empresa, um projeto, é colocar à prova do mercado e avaliar seus resultados de fato. A validação é feita geralmente em um grupo restrito ou escolhido para controlar os resultados de forma mais efetiva.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

(Fontes de pesquisa: Livro Aprender e Empreender – SEBRAE \Fundação Roberto Marinho – HSM Management- Sites pela internet – Wikpédia)

GESTÃO – PRINCIPAIS TÉCNICAS

tecnicas-de-gestãoMuitas são as técnicas de gestão de projetos. São matrizes, padrões, ferramentas e processos variados. Cada um dos caminhos pode ser escolhido de acordo com a expertise de quem vai gerenciar ou por tipo de projeto a ser executado. Mas aqui vou falar rapidamente das principais e mais conhecidas.

O PMBOK – Project Management Body of Knowledge, é um dos mais conhecidos no processo de gestão e começou sua ação nos EUA. É administrado pelo PMI – Project Management Institute. O não tão famoso mas também interessante PRINCE2™, Projects IN a Controlled Environment, foi criado na Inglaterra e tem abordagens muito pontuais para a gestão. Tem ainda o padrão criado pela ISO, o 10006-ISO, e alguns outros. Continuar lendo

BUSINESS MODEL CANVAS

 CANVASVocê conhece o BUSINESS MODEL CANVAS ou “Painel de Modelo de Negócios”?  É uma matriz para ser utilizada na configuração e definição de novos negócios. A principal diferença entre tantas novidades que surgem a cada ano para a área da estratégia, marketing e administração é que este modelo é bastante visual e sua proposta é que fique em um grande painel e seja utilizado por todos nas dicas, soluções e ações em cada uma das áreas. Uma construção proposta para principalmente ser em conjunto, participativa e de análise simples e eficiente. O formato interessante desse modelo é que tudo é construído com Post It. O conceito é que não demore muito no mural e que as definições e ações propostas sejam logo transformadas em realidade.

CANVASBusiness Model Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico, que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. É um mapa visual pré-formatado contendo nove blocos do modelo de negócios. O Business Model Canvas foi inicialmente proposto por Alexander Osterwalder baseado no seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology. (fonte: Wikpedia)

A matriz é visual. Um mapa que trabalha com nove pontos principais dentro do universo do novo negócio ou negócio pré-existente.

<img id=”i-614″ class=”alignright” src=”http://mariliadelima.files.wordpress.com/2013/03/blocos-do-canvas Look At This.png?w=650″ alt=”CANVAS” width=”390″ height=”130″ />1 – Segmentos de Clientes;

2 – Proposta de Valor;

3 – Canais;

4 – Relacionamento com Clientes;

5 – Receitas;

6 – Recursos Chave (Infraestrutura);

7 – Atividades Chave;

8 – Parcerias Chave

9 – Custos.

Vejam que apesar de prioritariamente estar sendo utilizado para novos negócios, startups, reinvenção da carreira etc, é uma ferramenta também bastante eficiente para planejar o seu evento ou ajudar na construção do seu projeto. Afinal, construir um projetos ou organizar um evento é igual a construir uma empresa ou uma carreira. A diferença é que a empresa ou a carreira tem começo, meio e sempre lutamos para que não tenha fim, e os projetos e eventos tem começo, meio e fim sempre.

Muito interessante para ser também utilizado na preparação do projeto na hora do brainstorm ou como dizemos lá em Minas “toró de parpites”.

Uma sugestão que dou também é que você pode mudar os campos para os temas da construção de projetos ou eventos. Ser

1 – Segmentos de Clientes = PÚBLICO ALVO DO SEU PROJETO OU EVENTO

2 – Proposta de Valor – JUSTIFICATIVA – DIFERENCIAL – IMPORTÂNCIA

3 – Canais – MAPA DE MÍDIA/ DIVULGAÇÃO

4 – Relacionamento com Clientes – ONDE VOCÊ VAI REALIZAR, COMO VAI INTERAGIR COM O PÚBLICO

5 – Receitas – FONTES DE FINANCIAMENTO

6 – Recursos Chave (Infraestrutura) – EQUIPE/ PROFISSIONAIS/ ETC

7 – Atividades Chave – OBJETIVOS

8 – Parcerias Chave – PARCEIROS

9 – Custos – ÍTENS DE CUSTO: RH, MATERIAIS, ESTRUTURA, LOGÍSTICA E OUTROS

Para todos os lados estão surgindo cursos e mais cursos para ensinar a utilizar a ferramenta. Mas se não estiver com dinheiro disponível você mesmo pode pesquisar na internet, ver vídeos no Youtube, ler textos dos mais variados etc. Veja o livro lançado sobre o assunto. Já tem edição em português e está nas principais livrarias.

CANVAS

Olha aí a planilha para você copiar e iniciar seu “Businees Model Canvas” :

http://www.businessmodelgeneration.com/downloads/business_model_canvas_poster.pdf

CANVAS

Gostou? Curta, Comente, envie SEUS COMENTÁRIOS e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

5W2H – SAIBA O QUE É E COMO USAR

Hoje vamos falar sobre uma matriz de trabalho muito útil que chama 5W2H. Ela pode ser usada de diversas formas. Aqui vamos usar para elaborar o rascunho do seu projeto. Funciona para lembrar os itens mais importantes que serão construidos no passo a passo.

5W2H

5W2H

Após decidir que vai mesmo realizar um projeto, deve começar o rascunho. Você vai responder a perguntas básicas do que quer em seu projeto. Não se apegue a um foco único ou a certezas. Este é só o primeiro passo, durante todo o processo mais e mais esclarecimentos, fatos, dados e outras informações irão te ajudar a “lapidar” o processo até o projeto final.

Você então utilizará o método 5W2H. Você já tinha ouvido falar nele? Continuar lendo

TEMPO E DINHEIRO, EQUILÍBRIO FUNDAMENTAL

tempo-e-dinheiroTempo e dinheiro são dois itens que devem ser equilibrados para se conseguir o resultado esperado em um projeto. A tríplice restrição em projetos é formada por Tempo x Custo x Escopo. O mérito de um bom gerenciamento é o equilíbrio fundamental destes, como planejado.

O escopo, ou objetivo, já vem definido na elaboração assim como tempo e dinheiro. Mas este, caso ele seja modificado, podemos considerar que houve um fracasso na proposta inicial. O tempo e o dinheiro, ou custo, também causam a falência do projeto. Mas eles também podem sofrer idas e vindas. Podem ter um desequilíbrio por variadas razões, que vezes são inevitáveis e devem ser readaptadas. Mas isso nem sempre compromete o resultado final.  Continuar lendo

PROJETOS E EVENTOS NO MUNDO

projetos-e-eventosSobre Projetos e Eventos é importante entender como esses temas estão conectados com o mundo atual.

O Mundo está passando por uma série de mudanças devido a Globalização. Este é um fenômeno social que ocorre em escala global. Ele consiste em uma integração de caráter político, social, econômico e cultural entre os países.
A globalização “encurta” as distâncias, diminui o tempo, agrega valor e muda os processos de trabalho, relacionamento e demandas. A internet é a grande mola. É o mundo online, ao vivo, em tempo real. Continuar lendo

PROJETOS, UMA RECEITA DE BOLO

Marilia_e_Roberto-820Estamos numa época em que se fala tanto de culinária e temos tantas receitas  programas de TV, publicações, canais no youtube e mais sobre o assunto. Escrever projetos É COMO CRIAR UMA RECEITA DE BOLO. Há muito tempo falo para meus alunos que escrever um projeto é como criar uma receita qualquer, como uma receita de bolo por exemplo. Tem que ter começo, meio e fim. Tem que ter ingredientes e modo de fazer. É um passo a passo para executar o projeto, do bolo. E em projetos culturais, sociais e outros o conceito é o mesmo.

O que é a receita = do que se trata o projeto, porque quis fazê-lo, porque ele é importante, o que pretende com ele. Continuar lendo

O MENSALÃO DA CULTURA

A cultura está acima da diferença da condição social.” (Confuncio).

“Sabei que o segredo das artes é corrigir a natureza.” (Voltaire).

Imagem

Há muitos e muitos anos, num magestoso país chamado Brasil havia propina, corrupção, compra de opiniões, caixa 2 e muito mais. Antes de eu nascer até os dias de hoje. Claro que com tanta corrupção não haveria de ser diferente na cultura.

Nossa!!! Verdade?!?!? Claro que sim e claro que muitos já sabiam disso. Crimes como formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, gestão fraudulenta e evasão de divisas acontece sim na cultura. Mas, infelizmente, com poucas possibilidades de provar ou de alguém realmente querer denunciar ou mesmo se interessar.

Tive meu primeiro contato com a corrupção quando fui secretária de Turismo em uma cidade de 13 mil habitantes no interior de Minas. Foi lá que vi que o “sorteio” de barracas para a festa da cidade era “maquiada” para que ganhassem apenas os amigos do partido. Foi lá que fui orientada pelo prefeito a recusar a doação de instrumentos musicais para uma banda da cidade por ser de outro partido. Foi lá que fiquei sabendo, “em segredo”, que “fulano” do financeiro da prefeitura maquiava também as licitações para ganhar aquele que lhe dava comissão das contratações de shows. Achei que isso só acontecia naquela cidade, naquele momento. Ó céus, ó vida…. ó santa ingenuidade.

Andei pesquisando junta às pessoas que conheço para saber a opinião de cada uma a respeito do “que é o mensalão”. Interessante é que a maioria, enxerga apenas como uma distribuição de dinheiro, do PT, para comprar votos. Ponto.

Porém o famoso “mensalão” é muito mais do que isso. Envolve diversos partidos, diversas empresas públicas e privadas, diversos empresários, a compra do PTB pelo PT e muito mais segundo as denúncias e processos. Os envolvidos somam mais de 100 pessoas e não somente a meia dúzia condenada. E o estopim foi a denúncia do Roberto Jefferson do PTB que canta muito mal a música do Lupicínio Rodrigues, Vingança. Opa, mas será que ao cantar no Programa do Jô essa música ele estava mandando uma “mensagem subliminar” para alguém?

Enfim, 18 de maio de 2004 diz-se que é o marco para o início dos escândalos e que eles estão restritos a essa época e ao PT. Porém, quem não se lembra em 2003 da cueca com dinheiro? Em 1995 da farra do PROER? Propinas nas privatizações da Vale e Telebrás? Compra de votos para a reeleição do FHC? O escândalo do Lalau? Jorgina de Freitas, fraudadora do INSS e que hoje tem um cargo público no Rio de Janeiro?

Com tanto escândalo e história os profissionais da cultura já estão se movimentando tem 02 filmes para serem produzidos: um filme da Tata Amaral sobre o “Porque José Dirceu virou o vilão do Brasil” já inclusive com autorização para capitação de mais de 1,5 milhões e o filme, ainda em estudo, que José de Abreu quer fazer sobre o Mensalão.

Onde há corrupção na área cultural?

– Podemos falar das contratações de shows, produtos culturais etc por prefeituras ou estado. Empresas vendem algo que custa X, cobra XX, e  o X a mais usa para repassar as “gorjetas” para quem intermediou o negócio. E claro tudo isso com dinheiro público.

– Existe também o tráfico de influência que acontece sempre em grande eventos, contratados pelo governo, para “representar” o Brasil etc, pagos com dinheiro público e que sempre vão os “amigos do rei”. Sem chamamento, sem concurso, sem dar oportunidades a outros tão bons quanto.

– Na Lei Rouanet, o mecenato, concede ao proponente de determinado projeto captar junto às empresas patrocínio para o projeto com o benefício da lei. A empresa dá ao projeto dinheiro como patrocínio, aparece na divulgação e depois faz o abatimento quando for pagar seus impostos, ou seja, usa dinheiro público e ainda se beneficia com divulgação.  Existe para essa “venda do patrocínio” a figura do captador de recursos, aquele que tem seus contatos com empresas e sabe vender. Ele tem o direito de receber uma comissão, dentro da lei, de até 10% do valor do projeto num teto máximo de 100 mil reais.

Apesar de simples assim e de ser claramente dinheiro público todos os dias tenho amigos, artistas e alunos dos cursos que ministro sobre o assunto me perguntando se é certo, se procede, pagar 20%, 30% do valor do projeto para o captador, que as vezes repassa parte para o funcionário da empresa que ajudou na liberação. Se é certo que eles “devolvam” para a empresa os 30%/40% a mais quando a lei não cobre os 100% de compensação. Se é certo fraudar notas fiscais a maior quando está “sobrando” dinheiro no projeto etc. Fiquei até sabendo que uma “colega” que ministra cursos sobre projetos e lei Rouanet que prega isso como inevitável.

Muita gente acha isso normal, ruim, mas, normal. Vamos quebrar o pensamento do “é assim mesmo” e partir para um posicionamento mais efetivo na cultura. Temos direito e precisamos de mais projetos e ações culturais e artísticas. Cada desvio desses, cada propina, é uma peça de teatro, um show que não acontece. Cada desvio de verba pública da cultura assim é mais um artista que não paga a sua luz, seu aluguel, seus compromissos.

Mas existe uma solução. A solução é a denúncia. Minha constante resposta e a sugestão para vocês como ação é: MINISTÉRIO PÚBLICO, POLÍCIA, CADEIA NELES. Denunciem toda e qualquer corrupção. E as denúncias no Ministério Público podem ser anônimas. Consiga o maior número de informações que puder como detalhes do projeto, da empresa, do captador, da pessoa que propôs isso. Parafraseando o Rei Roberto Carlos, essa corrupção é “ilegal, imoral e engorda” somente o bolso de alguns.

Acredito na cultura e acredito em vocês. Sei que se nos unirmos podemos mudar este panorama.

Somos profissionais da cultura, temos responsabilidade com tudo isso. Podemos com a nossa arte, com o fomento e resgate das culturas, com a valorização das ações culturais mudar o pensamento de um povo que precisa mais e mais apenas acreditar que pode. Nós podemos. Todos podem. Tenham esperança. Vamos plantar esta ideia. Vamos mudar esse país.

 

ADVOGADO DO DIABO

images (4)Muitas vezes sou chamada de irritante, de pessoa difícil e até partidária por, na maioria das vezes, questionar a verdade do que está sendo afirmado, discordar ou cogitar tragédias. A verdade é que pra tudo tento ser o Advogado do Diabo (do latim diabolus, por sua vez do grego diábolos, “caluniador”, ou “acusador”) pois é questionando, supondo, pensando diferente que obteremos respostas mais concretas e não teremos certezas tão frágeis. É assim que, ainda que errados, poderemos ter certeza de que estamos pensando, estamos sendo ativos e não somente reativos. É assim que estaremos preparados para o pior, e se ele não vier, melhor.

11bacde6e443ed1f851bab4a6fe0e96fMas o que é o “advogado do diabo”? Entre 1900 a 1983 nos processos de canonização da Igreja Católica existia a figura de um “promotor da fé” (Promotor Fidel). Ele era escolhido pela igreja e sua função era olhar com dúvidas e questionar as possíveis falhas ou inconsistencias das provas sobre milagres e outros acontecimentos. Essa função era popularmente conhecido como “Advogado do Diabo” (advocatus diaboli). Os Advogados do Diabo, reduziam o número de canonizações e garantiam que a santidade não deveria ser tão fácil assim.

Atualmente usamos a expressão para designar as pessoas que estão do lado contrário de uma questão aprovada por todos, que olha o outro lado, questiona o que ninguém mais questionou. Não aceita tão fácil assim as “verdades” ou as soluções.

Esse papel é muito importante quando estamos fazendo um planejamento estratégico, quando estamos fazendo a pesquisa, o “brainstorm” ou “toró de palpites”   como dizemos lá em Minas. É importante na construção e elaboração de projetos e eventos. Precisamos quetionar e pensar: “e se chover?”, “mas será que é o melhor?”, “se todos estão fazendo talvez não seja melhor não fazer?”, “se todos estão fazendo talvez não seja melhor fazer?”, “E se azedar a comida?”, “Será que este lugar é mesmo o melhor?”, “So porque tem 5 estrelas será que é realmente bom pra o que precisamos?”, “Será que só porque está na moda vamos fazer?”, “E se a empresa furar com a gente?”, “E se alguém se machucar?”, “E se formos multados?” etc etc.

Portanto, se você tem alguém assim na sua equipe, valorize. Se não tem, se tudo é muito tranquilo e todos concordam, faça alguma coisa pra mudar isso. Inclua alguém ou motive para isso. Eventos e projetos são eventualidades, são frágeis, não acertaremos nunca 100% mas quanto mais nos preparamos mais perto dos 100 chegamos. Se nos preparamos para tudo, ou quase tudo, estamos salvos ainda que nada de errado ou ruim realmente aconteça.

É como eu digo, para se organizar com maestria eventos e projetos o mais importante é pensar, pensar e pensar na hora de planejar, planejar e planejar. 🙂

***Cadastre seu email  no formulário de contato para receber nossas novidades. Promoções especiais, descontos, textos exclusivos e muito mais só para quem se cadastrou. 

Você gostou???? Compartilhe. Conhecimento tem que circular.

GERAÇÃO FLUX EM PROJETOS E EVENTOS

GERAÇÃO FLUXEu quero é te criar a dúvida para que descubra, nas infinitas possibilidades, a sua verdade. Isso é pensar.

GERAÇÃO FLUX FAST COMPANYO profissional da área de projetos e de eventos, em sua maioria, já é muito FLUX. Geração Flux é um tema ainda muito na moda em 2016, mas este termo foi criado pela revista americana “Fast Company” em 2012. Flux é a nova geração de profissionais que vem surgindo e estão abertos e prontos para as instabilidades e eventualidades, possuem variados conhecimentos e formação, são criativos, tolerantes, multitarefas, cooperativos. E não são só os jovens, eles tem idades muito variadas.

Tenho trabalhado para que este blog (meio site), site  (meio blog), seja um ponto de informação e de conhecimento para quem o segue e lê. Quero é que você se torne um melhor pensador a partir de SUAS conclusões.

Para chegar a alguma conclusão temos que passar por várias fases e analisar diversos conteúdos, ter um olhar e pensamento crítico. Quando for capaz de fazer isso será capaz de ser ainda mais FLUX. É isso que vamos trabalhar sempre por aqui.

O foco do trabalho é INTELIGÊNCIA EM PROJETOS E EVENTOS, em áreas variadas. Meu principal diferencial é trabalhar com vocês o exercício do pensamento, da dúvida, do cogitar, do papel do advogado do diabo, das possibilidades, da pesquisa, das variáveis. Isso fará você ser cada vez mais assertivo nos seus planejamentos.

Não me interessa dar somente um conteúdo pronto baseado nisso ou naquilo. Quero que você aprenda a pensar e questionar o que recebe de informação. Questionar as “grandes verdades”, os gurus que nascem todos os dias mas que morrem também. Que você participe ajudando a construir, a criar conceitos, a novas idéias, a olhar para outros lados.

O passo a passo, a técnica, de um projeto ou de um evento tem por toda internet nas mais variadas formas. Isso não é novidade e ninguém tem exclusividade sobre estas informações. Será sempre só mais uma ferramenta. Mas o exercício de pensar te fara planejar e prever melhor as possibilidades e riscos dos seus projetos e eventos.

E como exercitamos isso?

Podemos começar com estas  05 dicas para você ser mais “pensante” e mais “fluxer”.

1) Desconfie de tudo e de todos, incluindo você. Questione e quebre suas próprias crenças e certezas. Transponha os paradigmas. O que funcionava ontem não é o que funciona hoje. Coloque as variadas respostas em uma lista sem pensar “isso é certo” e “isso é errado”. Esta ainda é a fase de pesquisa, todo material é válido. É além de “pensar fora da caixa”, é pesquisar primeiro tudo o que está fora da caixa para depois pensar.

2 ) Ouça e leia tudo o que puder em todo o tempo que lhe for possível. Esta é a era do conhecimento, as informações são como uma cachoeira que jorra sem parar. Informação é a riqueza, o ouro, o novo poder. Mas cuidado pra não enlouquecer. Minha dica é: organize seu tempo para isso, organize a forma de receber, ler e ver esse conteúdo. Procure conteúdos da sua área mas não esqueça de mesclar com os que são diferentes, isso faz tudo mais interessante.  As mudanças acontecem a cada momento. Se você parar um pouco que seja,  já estará atrasado.

3) Antes de decidir, reúna e compare todas informações, suas e dos outros.. O máximo de conteúdo te ajudará a traçar um panorama mais realista e abrangente da situação para decidir melhor. Mesmo que pareça absurdo a direção que pensou, confie no seu instinto e na sua competência para assimilar e concluir com base nas informações. Não tenha medo de inovar.

4) Exercite a resiliência. Se entregue. Viva cada segundo e tenha certezas só para os próximos 30 minutos. Esteja pronto constantemente para as mudanças. Esteja pronto para enfrentar desafios. Esteja pronto pra lidar com perdas. Mas principalmente esteja pronto para não se abalar e continuar produzindo mesmo quando tudo parece estar desmoronando. Mantenha o foco no futuro. Veja sempre a luz no fim do túnel e encontre sempre a flor de lótus na lama.

5) Faça tudo isso em menos de 1 hora. Seus dilemas, questões ou grandes decisões não podem demorar muito para ser tomadas. O tempo não é e não será seu amigo neste novo momento. Isso vale pra projetos, para eventos, para decisões e para tudo na sua vida.

GERAÇÃO FLUX 3

Mas como tornar isso menos cansativo, desgastante? Procurando um trabalho que lhe dê felicidade. Quem faz o que gosta trabalha mais feliz.

E como fazer esse pensamento ser cada dia mais fácil? Como pesquisar, observar, juntar estas informações e tomar decisões tão rapidamente? Exercitando e trazendo conteúdo para seu cérebro.

 

Não se esqueça da regra básica sobre as grandes conquistas: Trabalhar dá trabalho.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR.